Um ícone das missões na IPB, deixa saudades


Por Emma Erben de Castro

 

Hoje, é um dia triste para todos aqueles que conheceram pessoalmente o Rev. Evandro Luiz da Silva, pois ele partiu para morar no lar celestial.

Foi um servo de Deus, que marcou a história das missões na sua época. Podemos dizer que a história missionária transcultural da IPB, foi dividida em duas etapas: antes do Rev. Evandro e depois dele.

No ano de 1970, foi morar numa pacata cidade paraguaia, Concepción, enfrentando todas as dificuldades da época, juntamente com sua esposa Lourdes e sua pequena filha Carlota, onde morou até 1974.

Foi desafiado pela necessidade de levar o evangelho além das fronteiras nacionais, sem contar com uma estrutura ou suporte necessário, apenas com o apoio de algumas igrejas que esporadicamente apoiavam seu ministério.

Promoveu campanhas juntamente com o Secretário Executivo da Junta de Missões Estrangeiras, na época, o Rev. Odair Olivetti (+), para a compra do local próprio da pequena igreja que estava sendo plantada. Ele, com o apoio de igrejas e irmãos, conseguiu comprar um bom local em Concepción e outro na cidade de Belém.

Atuou como presidente da Junta de Missões Estrangeiras – JME, no seu retorno ao Brasil, enviando missionários a África, Europa e outros países de América Latina.

Suas histórias de vivências missionárias eram sempre contadas com grande entusiasmo e envolvia todos os que o ouviam, pela paixão que transmitia na pregação da Palavra.

É considerado o pai espiritual de muitos paraguaios, entre eles o Rev. Buenaventura Giménez (+), primeiro pastor paraguaio, o Rev. Eulógio Gimenez o segundo pastor paraguaio e muitos outros a quem proporcionou a possibilidade de uma formação teológica nos Institutos Bíblicos e Seminários, no Brasil, visando uma liderança autóctone. Muitos deles, até hoje atuam em campos missionários indígenas, em outros países, como também no próprio Paraguai.

Na sua trajetória despertou várias vocações missionárias de jovens que hoje atuam em diferentes campos missionários, impactou a vida de muitas igrejas que começaram a entender a necessidade da tarefa de levar o evangelho a outras nações, além de testemunhar no próprio contexto.

Sempre deu uma atenção muito especial aos idosos, e pessoas com necessidades especiais que se sentiam motivados e gratos com a sua visita.

Até seu último dia de vida, serviu como pastor auxiliar da Igreja Presbiteriana em São Caetano do Sul, SP, onde era muito honrado.

A grande família missionária da IPB/APMT, louva a Deus pela vida do Rev. Evandro, que deu uma grande contribuição como primeiro pastor missionário sustentado integralmente pela IPB no estrangeiro, e logo sua contribuição no despertamento missionário das igrejas locais e sua influencia no despertamento vocacional de muitos, para que hoje a APMT conte com mais de 200 missionários nos campos, atuando em 41 países, ao redor do mundo.

Ele deixa muitas saudades, mas acima de tudo um exemplo de paixão pela obra missionária e com certeza, seu testemunho de vida, sempre o levou a confessar sua fé e a dizer como o Apóstolo  Paulo: “... antes, com toda a ousadia, Cristo será, tanto agora como sempre, engrandecido no meu corpo, seja pela vida, seja pela morte. Porque para mim o viver é Cristo, e o morrer é lucro.”. Filipenses 1.20-21

O velório estará acontecendo na Igreja Presbiteriana de São Caetano do Sul (Rua Heloísa Pamplona 177), São Paulo, hoje desde as 18hs. Amanhã, domingo, 1 de julho,  será o Culto Fúnebre, na mesma igreja, onde serviu como pastor durantes os últimos anos da sua vida. O sepultamento às 15 horas no Cemitério Memorial Jardim Santo André (Av. Queirós Filho 1750 - Santo André)

Assista um pequeno depoimento que foi feito pelo Departamento de Comunicação da APMT CLIQUE AQUI


 

 

 

Comentários